Saltar os Menus

Notícias

28 de Junho de 2018

Frida Kahlo – As Suas Fotografias

Quando, em 1954, Frida morre, o seu marido, Diego Rivera, decide doar ao povo mexicano a casa onde viviam – a casa Azul, hoje o Museu Frida Kahlo.
Diego seleciona as pinturas de Frida, alguns desenhos, cerâmicas populares, a coleção de ex-votos, um corpete pintado, livros, fotografias, documentos e objetos diversos. Tudo o resto guarda para si.
Pouco tempo antes de morrer, Diego pede à amiga Lola Olmedo que o seu arquivo pessoal só fosse aberto ao fim de quinze anos. No entanto, se o seu amigo não o queria abrir, ela tão pouco o faria.
Assim, este arquivo permaneceu adormecido por cinquenta anos, à espera de um sopro que o devolvesse à vida, guardando mais de seis mil fotografias ao lado de desenhos, cartas, remédios, vestidos e diversos objetos.

© Museu Frida Kahlo © Museu Frida Kahlo

 

© Museu Frida Kahlo

Em 2010, o empenho de Hilda Trujillo Soto, diretora do Museu Frida Kahlo, vem permitir que parte deste acervo se transforme nesta mostra, com curadoria do fotógrafo e historiador da fotografia no México, Pablo Ortiz Monasterio.
“Frida Kahlo, As suas Fotografias”, mais do que revelar a profundidade e a intimidade da artista, renova o nosso olhar sobre aquela que é uma das mais importantes e enigmáticas artistas da América Latina.

 

© Museu Frida Kahlo © Museu Frida Kahlo

 

© Museu Frida Kahlo

“Sabia que o campo de batalha do sofrimento se refletia nos meus olhos. Desde então, comecei a encarar diretamente a objetiva, sem pestanejar, sem sorrir, decidida a mostrar que seria uma boa lutadora até ao fim”, escreveu Frida Kahlo acerca da fotografia. Desde cedo, Frida manteve uma relação especial com o meio fotográfico, já que o seu avô e o seu pai Guillermo Kahlo eram fotógrafos profissionais.
À frente ou atrás da câmara, Frida soube criar uma personalidade forte. Nos retratos tirados pelo seu pai, nota-se um surpreendente conhecimento dos seus melhores ângulos e poses. O olhar frontal e fixo na objetiva é a imagem que se refletirá nos seus quadros e nas fotografias que lhe tiraram grandes fotógrafos do século XX, como Imogen Cunningham, Edward Weston, Man Ray, Martin Munkácsi e Lola Álvarez Bravo.
As 241 fotografias agora apresentadas preservaram-se graças ao amor de Frida Kahlo pela arte fotográfica. Frida cuidou e fruiu delas e trabalhou-as – colorindo-as, imprimindo-lhes beijos, recortando-as ou inscrevendo-lhes pensamentos. Estas fotografias refletem a intimidade e os interesses da pintora ao longo da sua vida atribulada: a família, o fascínio por Diego Rivera, seu marido, os múltiplos amores, os amigos e alguns inimigos, o corpo acidentado e a ciência médica, a luta política e a arte, os índios e o passado pré-hispânico, e a paixão pelo México e pelo seu povo.

Esta notícia foi publicada em 28 de Junho de 2018 e foi arquivada em: Destaques, Exposições Temporárias.