Saltar os Menus

Documento Mês – Fundo Bibliográfico

“Negativo estereoscópico (vidro) em colódio húmido”

Tavares, Emília (coord. ed.), Victor Flores… [et. al.]. 2019.
“Sem título [Retrato de família Relvas com Jerónimo Dias de Azevedo, conde de Podentes e Francisco Mendes, duque de Viseu] [1867-1869]. CECR”.
Carlos Relvas, 1838-1894: vistas inéditas de Portugal, 38. Lisboa: MNAC-Museu do Chiado.

Tinha conhecimento que os primeiros negativos em vidro datam de 1848?

Em 1841, o inventor e cientista inglês William Henry Fox Talbot (1800-1877) criou o primeiro processo fotográfico negativo-positivo, designado de calotipia, que consistia na fixação da imagem a partir de um negativo em suporte de papel e posteriormente, por contato, obtinha-se cópias positivas (provas em papel salgado). O calótipo tinha como principal vantagem a possibilidade de obter várias provas impressas a partir de um único negativo, no entanto, não permitia reproduzir pormenores na imagem devido à opacidade e textura do suporte em papel.

Em 1848, surge o suporte em vidro como meio para a produção de negativos fotográficos devido à sua transparência e por permitir realizar várias cópias de imagens. Associado ao suporte em vidro usaram-se três tipos de emulsões como meio ligante dos sais de prata ao vidro: a emulsão de albumina, que utilizava clara de ovo; a emulsão de colódio, uma mistura mais económica de se obter que permitiu diminuir os tempos de exposição da fotografia e a emulsão de gelatina, um processo ainda mais económico que permitia conservar e armazenar a emulsão fotográfica para uso após a secagem.

Na publicação exposta (lado esquerdo e a primeira imagem do lado direito) apresentam duas impressões digitais a partir de digitalização de negativo estereoscópico (vidro) em colódio húmido.

Did you know that the first glass negatives date back to 1848?

In 1841, the English inventor and scientist William Henry Fox Talbot (1800-1877) created the first negative-positive photographic process, known as calotype, which consisted of fixing the image from a negative onto a paper support and then, by contact, obtaining positive copies (proofs on salted paper). The calotype’s main advantage was the possibility of obtaining several printed proofs from a single negative; however, it did not allow reproducing details in the image due to the opacity and texture of the paper support.

In 1848, glass emerged as a support for the production of photographic negatives due to its transparency and because it allowed making several copies of any given image. Three types of emulsions were used in association with glass as a means of binding silver salts to the glass: albumin emulsion, which used egg whites; collodion emulsion, a more cost-effective mixture that allowed reducing exposure times; and gelatine emulsion, an even more cost-effective process that allowed preserving and storing the photographic emulsion for use after drying.

In the document on display (left side and the first image on the right side) there are two digital prints obtained by scanning a stereoscopic negative (glass) in wet collodion.


.

Antiga Cadeia e Tribunal da Relação do Porto
Largo Amor de Perdição
4050-008 Porto | Portugal


T. (+351) 220 046 300 mail.cpf@cpf.dglab.gov.pt

Receba todas as novidades do cpf no seu email

© 2022 - Centro Português de Fotografia | Contactos | Acessibilidades | Elogios, Sugestões e Reclamações