Saltar os Menus

Notícias

13 de Maio de 2021

Documento Mês_Fundos e Coleções_maio/2021

Lady, Basket of Calla Lilies on Head (Portugal), 1930s; PT/CPF/CNF/000636

Lady, Basket of Calla Lilies on Head (Portugal), 1930s
PT/CPF/CNF/000636

 

Margaret Thesiger, a filha mais nova de Frederic Thesiger, vice-rei da Índia entre 1916 a 1921, fotografou o Taj Mahal com 8 anos, altura em que lhe ofereceram uma câmara Brownie da Kodac.

Foi desenvolvendo a sua criatividade e quando, anos mais tarde, adquiriu uma câmara Leica, começou a encarar a fotografia de uma forma mais séria, encorajada pelo seu marido, o cineasta e socialista, John Goldman Monck, com quem se casou em 1934.

Em Londres, Margaret inspirou-se nas docas industriais e nas ruas do East End, retratando o ambiente de uma forma inocente, imagens que associamos a fotógrafos de rua que surgiram duas ou três décadas depois.

A eclosão da Segunda Guerra Mundial, a maternidade e uma mudança para seguir uma vida no campo, acabaram com a fotografia de Margaret, mas o seu registo profundo da cidade de Londres dos anos 1930, em particular das suas comunidades empobrecidas, encerrou o seu prestígio na constelação das mulheres fotógrafas modernas.

 

 

 

Margaret Thesiger was the youngest child of Frederic Thesiger, who was Viceroy of India from 1916 to 1921.

At the age of 8, she had been given a Box Brownie camera for her birthday and began to take photographs, including views of the Taj Mahal on a visit there. A creative impulse had been sparked and when, years later, she acquired a Leica camera, she began to take her photography more seriously, encouraged by her husband, the filmmaker and lifelong socialist, John Goldman Monck, whom she married in 1934. ‘

In London, Margaret was inspired to capture the industrial docklands and streets of the East End, producing the kind of candid, yet atmospheric, shots we are more likely to associate with pictures by street photographers who were working two or three decades later.

The outbreak of World War Two, motherhood and a move to take up a new career in farming put an end to Margaret’s photography, but her penetrating record of 1930s London, in particular its impoverished communities, has sealed her status within the firmament of groundbreaking female photographers.

 

 

Esta notícia foi publicada em 13 de Maio de 2021 e foi arquivada em: Arquivos e Coleções, Destaques, Documento do mês.

Os comentários foram desactivados para esta notícia.